sexta-feira, 12 de maio de 2023

Pragas: espécies descontroladas que geram prejuízos

Hoje vamos tratar de um assunto falado corriqueiramente pela sociedade, e muitas vezes entendida de forma errônea ou pouco didática, as pragas. Portanto, vamos tratar neste post sobre este assunto de um modo superficial.

Pinheiro-da-praia (Casuarina equisetifolia L.) tem potencial de mudar ambiente e devastar grandes áreas. É considerada espécie exótica invasora em Santa Catarina (Brasil).

O que seria de fato uma praga? Um indivíduo é considerado praga, quando se reproduz de modo desenfreado, sem haver predador natural que o controle, e vêm a gerar danos a outros indivíduos. Qualquer espécie pode se tornar uma praga, porém, é necessário haver uma superpopulação, com danos a outros organismo e não ocorrer um predador natural que a controle.

Alguns exemplos de pragas:
Praga agrícola: É comum ver animais consumindo plantações, mas não necessariamente são pragas. É considerado praga, quando este indivíduo ataca a produção de modo desenfreado e com voracidade, e não haver um predador natural naquele local que o controle. O que irá gerar prejuízo elevado. Mas pode haver uma infinidade de organismos que se tornam pragas, como fungos, aves, insetos, animais de pequeno e grande porte, além de outros vegetais.
Praga urbana: Mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. Este mosquito se vale de temperaturas elevadas, falhas no saneamento básico e acumulo de água parada limpa em objetos como tampas, pneus, garrafas, pratos de plantas sem areia…
Na natureza: A Argentina vem sofrendo com fortes impactos, após colocar em um arquipélago, uma espécie de castor do Canadá. Por não haver predador, ele se proliferou e devastou grandes áreas.
Javaporco, ou Javali africano espalhado pelo continente americano, que além de destruir floresta, mudar ciclos de rios, ataca plantações e pode transmitir doenças já controladas na suinocultura. A espécie é extremamente agressiva, e não há predador natural no continente.

Como se desenvolve uma praga?
 
Para tratar deste assunto, vamos relembrar o conceito de Ciclos populacionais neste vídeo simples que produzi exclusivamente para este post:


O ciclo populacional, não ocorre da noite para o dia, mas por períodos intercalares, meses, estações do ano, ou por longos anos. E sempre haverá excessões.
Portanto, uma praga pode ser desenvolvida, quando há um descontrole ambiental. Esse descontrole é gerado corriqueiramente pela ação humana, pois, naturalmente o próprio ciclo natural exerce o papel controlador a espécie.

Como se combate ou evitar pragas?
 
Como citei anteriormente, a maior parte das pragas ocorrem por ação humana, e nas que necessitam de ação imediata, há diferentes modos de ação, exemplo:
Vírus, como da gripe e COVID 19: esta ação deve vir de atuações mutuas, como controle de fronteiras, desenvolvimento de vacinas, dentre outros. Mas como cada pessoa pode agir para ajudar? Com higiene das mãos, cuidados nas interações sociais e, principalmente, vacinação;
Mosquito da dengue: saneamento básico, herborização e alargamento das vias para diminuição da temperatura, políticas sociais e educativas sobre descarte correto de resíduos, monitoramento de caixa d'águas, piscinas. E ouvir a ciência, pois muitos órgãos ambientais fingem ouvir, a exemplo, cidades de destroem bromélias, colocando culpa nelas (o que é um erro absurdo).
Ataques a plantações: os profissionais responsáveis pelo controle devem monitorar os ataques, e se identificar o predador natural agindo, aguardar o sanação da situação. Se inserir inseticida, por exemplo, pode acabar matando também polinizadores e os predadores naturais.
Mas se não houver controle natural, aplicar agroquímicos específicos para solucionar o problema. Portanto, deve-se sempre solicitar a atuação de uma pessoa técnica responsável para investigar e dar o parecer.
Castores na argentina, javali e javaporco (sem esquecer do veado africano recém implementado nas Américas, que logo será praga agrícola): manejo responsável, monitorado pelos responsáveis técnicos dos órgãos ambientais, e ação assertiva e punitiva a quem reproduz e liberar essas espécies nos ambientes fora da região de origem natural.

Muito bem pessoal, tentei ser entendível :D Caso ficou dúvidas, ou quer deixar seu comentário, fique a vontade.

7 comentários:

Marina Seischi disse...

Interessante e didático artigo . Para nós leigos é complicado separar o que é ou não é praga .Que bom trazer esses artigos . Abraço

Luiz Gomes disse...

Bom dia de domingo com muita paz e saúde.
Excelente explicação meu querido amigo Calebe.
Luiz Gomes.

Pedro Coimbra disse...

Ontem apanharam aqui um fulano que fazia tráfico de...formigas.
WTF????
Boa semana

Jovem Jornalista disse...

Um excelente post. Aprendi mais sobre esse assunto!

Boa semana!

O JOVEM JORNALISTA está no ar com muitos posts e novidades! Não deixe de conferir!

Jovem Jornalista
Instagram

Até mais, Emerson Garcia

Calebe Borges disse...

Olá, que bom que foi construtivo. Abraço.

Calebe Borges disse...

Olá Luiz.
Gratidão e igualmente.

Calebe Borges disse...

Até mais Emerson, abraço.